Preso em Maracaju o suspeito de assassinar adolescente em Sidrolândia

12/05/2022 08h38 - Atualizado há 1 mês

O adolescente foi executado com um tiro na cabeça em frente a uma casa noturna de Sidrolândia

Cb image default
Divulgação
Cb image default
Divulgação

A equipe de investigação da Delegacia de Polícia Civil de Maracaju recebeu a informação de que um indivíduo, que havia praticado um homicídio em Sidrolândia há poucas semanas, estava com a arma do crime em uma residência localizada na Rua Minas Gerais, nº 2671, Bairro Vila Juquita.

Foi realizado contato com a Delegacia de Sidrolândia, obtendo-se a informação de que, de fato, houve um homicídio no dia 01/05/2022, indicando que o suspeito seria A. dos S. N. (20) e que ele estaria foragido com a arma do crime (Boletim de Ocorrência nº 917/2022/DP-Sidrolândia).

Diante da fundada suspeita de situação flagrancial, a equipe da Delegacia de Maracaju foi até o local, encontrando na residência A. dos S. N. (20) e T. E. A. de S. (22). Em buscas pela casa, foi encontrado um revólver calibre .32 e uma munição .32 Auto intacta em cima da única cama do imóvel.

Ao serem questionados, A. dos S. N. (20) confessou a propriedade da arma de fogo e da munição, bem como confessou que a utilizou para praticar um homicídio em Sidrolândia há poucos dias. Relatou, ainda, que estava tentando vender a arma para poder ir embora para o estado de Mato Grosso. T. E. A. de S. (22) informou que tinha ido até o local apenas para fazer uso de entorpecentes, porém, após a arma de fogo ter sido localizada, acabou confirmando que estava negociando a compra da arma de fogo em questão, além de ter ido, de fato, para usarem drogas juntos.

Além da arma de fogo, o aparelho celular de A. dos S. N. (20), que estava na cama ao lado da arma, também foi apreendido.

O crime:

O crime ocorreu na madrugada do dia 01/05, em frente a uma casa noturna no centro da cidade.

Conforme relato da mãe,  Leandro Henrique de Souza Nogueira, de 17 anos, foi atingido com um tiro na cabeça, sendo socorrido, mas já chegando sem vida ao hospital local.

Por TONI REIS