Simone festeja saída do MDB do Centrão: “Velha política”, diz

29/07/2020 14h13 - Atualizado há 13 dias

MDB e DEM saíram do bloco de apoio ao presidente Jair Bolsonaro

Cb image default
Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

 Nyelder Rodrigues

A saída do MDB do bloco formado pelos partidos do chamado Centrão no Congresso Nacional foi aprovada por lideranças emedebistas de Mato Grosso do Sul, que veem nesse ato uma garantia de independência do partido nas discussões de interesse do governo federal.

A movimentação, que surpreendeu muitos no início da semana, recebeu elogios da senadora Simone Tebet.

Presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e cogitada como candidata à presidência da Casa em pleito que acontecerá no ano que vem, a sul-mato-grossense afirma ter ficado contente com a saída, que tenta mostrar que o MDB não faz parte desse bloco de partidos que atualmente compõem a base governista.

“A minha alegria é ver o presidente do MDB [deputado federal Baleia Rossi, de SP] deixar muito claro na Câmara que nós não fazemos parte do Centrão, da velha política. Ele foi eleito para que tenhamos equilíbrio e sejamos independentes justamente para ajudar o governo a ajudar o País e poder fazer críticas sobre o que acharmos errado”, frisa a parlamentar.

Simone ainda completa que o gesto anunciado por Baleia Rossi pegou várias pessoas de surpresa e foi “a grande novidade positiva para o País”, já que demonstra elementos de uma boa política.

“É a política saudável, a política de Ulisses Guimarães e de tantos outros estadista que fazem tanta falta para o Brasil de hoje”, conclui, em live para a IstoÉ.

Opinião semelhante à de Simone apresenta o deputado estadual Eduardo Rocha, também do MDB. Para ele, sair do bloco foi uma atitude correta dos líderes emedebistas na Câmara Federal, já que ele foi composto para a formação de comissões, principalmente a de orçamento.

“As comissões já foram formadas, esse cenário já passou, e agora o Centrão estava atrás de adesão, pedindo cargos para dar o seu apoio ao governo federal. O MDB fez corretamente em sair desse bloco por ser independente. Poderá votar livre nas matérias da maneira que acreditar ser melhor para o país", finaliza Eduardo Rocha.

CORREIO DO ESTADO