São Paulo tenta vender Ganso e quer R$ 15 milhões

14/07/2015 00h00 - Atualizado há 2 anos

É dado como certo no departamento de futebol do São Paulo que até o fim de agosto o clube terá vendido mais jogadores além dos quatro que saíram nas últimas semanas – Paulo Miranda, Denilson, Souza e Dória. E um dos favoritos para deixar o clube agora é o meia Paulo Henrique Ganso, por quem a diretoria definiu valor de R$ 15 milhões pelos 32% dos direitos econômicos a que tem direito. A expectativa é receber ofertas por esse valor nos próximos 45 dias, enquanto a janela europeia de transferências estiver aberta.

A decisão de colocar Paulo Henrique Ganso no mercado, segundo a diretoria, nada tem a ver com a atitude rebelde do meia ao sair de campo irritado no último domingo, na vitória sobre o Coritiba. Disponibilizar o meia para transferência é uma definição baseada no potencial de mercado do atleta e no rendimento que ele vem apresentando, ainda aquém do esperado pelo clube. Além disso, a venda de Rodrigo Caio ao Valencia, da Espanha, vista como grande oportunidade de aliviar os problemas financeiros, não aconteceu. Publicamente, no entanto, Ganso não será colocado como negociável. O técnico Juan Carlos Osorio, por outro lado, ainda vê Ganso como peça fundamental da equipe.

A diretoria do São Paulo recebeu uma oferta do Flamengo por Ganso há pouco mais de um mês. Em reunião realizada no estádio do Morumbi, em São Paulo, o clube carioca ofertou R$ 10 milhões pelos 32% dos direitos econômicos – a DIS, do Grupo Sonda, detém 68%. Antes disso, o Santos ainda tentou um empréstimo do meia de volta à Vila Belmiro, sem sucesso.

A avaliação de R$ 15 milhões pelos R$ 32% de Ganso representa uma queda vertiginosa no que o próprio São Paulo pensava sobre o camisa 10. Há um ano a diretoria dizia que o valor de mercado do meia era de 30 milhões de euros (mais de R$ 100 milhões), montante que avaliava os 32% em cerca de R$ 30 milhões – o dobro do valor pedido hoje. Em setembro de 2012, o São Paulo pagou R$ 16 milhões ao Santos por 32% dos direitos econômicos. A DIS, que já tinha 45% dos direitos, pagou R$ 7,9 milhões e ficou com 68%.

O São Paulo ainda tenta a contratação do zagueiro Dória, do Olympique de Marselha, da França, cujo contrato de empréstimo terminou no dia 30 de junho. Já foi enviada uma proposta pela compra de 50% dos direitos econômicos do jogador. Segundo a diretoria, o investidor que participa do negócio é o diretor de marketing Vinicius Pinotti, que colocou R$ 13 milhões na contratação do argentino Ricardo Centurión, ex-Racing.

Outro atleta que tem chances de deixar o clube é o atacante Jonathan Cafu. Ele recebeu uma proposta de empréstimo do Ludogorets, da Bulgária, que foi renegociada pelo São Paulo por uma oferta de venda do jogador. O clube búlgaro ainda não respondeu, mas a negociação ainda é vista como em andamento. O São Paulo quer R$ 3,5 milhões pelos 50% dos direitos do jogador que detém – o atleta ainda é dividido com o Doyen (25%) e outro grupo (25%).

http://esporte.uol.com.br/