Meia do Athletico paranaense escapa de acidente em Capitólio,

10/01/2022 09h58 - Atualizado há 9 dias

O atleta esteve no local do acidente cinco minutos antes de a rocha ceder e atingir duas lanchas

Cb image default
O jogador postou a foto e disse que deixou local 5 minutos antes do desabamento - Foto: Reprodução

 FOLHAPRESS

O meio-campista Gustavo Braga, jogador do elenco sub-20 do Athletico-PR, relatou nas redes sociais o passeio com amigos e familiares pelo Lago de Furnas, em Capitólio (MG), momentos antes da tragédia que matou dez * pessoas neste sábado (8).

O atleta esteve no local do acidente cinco minutos antes de a rocha ceder e atingir duas lanchas

"Quando aconteceu isso saindo e só saiu para escutar mesmo. Foi coisa assim, de cinco minutos", escreveu em sua conta no Instagram.

Depois, também na História do Instagram, o atleta relatou que ele, familiares e amigos estão "bem".

A reportagem entrou em contato com Gustavo Braga, que pediu para não ser entrevistado pela orientação do Atlético.

Uma reportagem conversada com o pai do atleta, Denivaldo Braga, que relatou os momentos que antecederam o acidente em Capitólio e a destreza do marinheiro contratado pela família, que optou em sair do momento local antes da queda da rocha.

"Ficamos ali (local do acidente) uns dez minutos. Saímos e fomos para algum outro local. Depois que chegamos, percebemos que não chegou mais lancha. Foi coisa de cinco minutos mesmo, foi um livramento de Deus. Não presenciamos o acontecimento, mas determinados próximos. Para não deixar afobados, o marinheiro nos avisou que tinha caído uma pedra, mas não fazíamos ideia do que era ", explicou o pai do meia do Furacão.

"Vi muita gente comentando na internet que quem estava no local do acidente foi avisado do perigo pelas outras lanchas, mas não era possível ouvir. A gente não ouviu ouvir a pessoa do lado por conta do barulho da cachoeira. Era um barulho muito forte e , por isso, acho que não foi possível escutar ".

Questionado pela reportagem sobre os avisos da Defesa Civil de Minas Gerais sobre a possibilidade de tromba d'água na região horas antes do acidente, Denivaldo explicou que o alerta não foi passado aos turistas que compraram os passeios no Lago de Furnas.

CORREIO DO ESTADO