Decreto de Bolsonaro sabota seu próprio Ministro da Saúde

11/05/2020 20h44 - Atualizado há 21 dias

Enquanto o Ministro da Saúde, Drº Nelson Teich, apresentava trabalho feito em parceria com os secretários estaduais e municipais de saúde, Bolsonaro publicava Decreto flexibilizando ainda mais o isolamento social.

Cb image default
© Marcello Casal JrAgência Brasil

Bolsonaro voltou a dar provas de que não está preocupado, nem com as milhares de mortes e nem com a atuação de seu Ministro da Sáude.

Enquanto o Ministro Nelson Teich apresentava o trabalho, feito em parceria com os secretários estaduais e municipais de saúde, o presidente publicava um decreto abrindo ainda mais as porteiras para a infecção. 

“Não é uma política de isolamento nem de flexibilização. É análise de cada local e a partir delas definimos as ações que consideramos ideais. Isso é diretriz. As decisões cabem aos estados e municípios" afirmava o Ministro da Saúde, enquanto seu chefe considerava salões de beleza, barbeiros e academias como serviços essenciais.

Com atitudes negacionistas, diante de fatos científicos concretos e de milhares de mortes, Bolsonaro se isola com seus "seguidores", sabotando e fritando seus ministros, passando a ideia, que vem sendo difundida pelas redes sociais, que o Presidente da Nação não tem empatia pelo povo que não é de sua relação pessoal e que está comemorando a morte de idosos, um alívio para o caixa da Previdência Social.

Esperamos que sejam apenas boatos maldosos, que seja apenas um disturbio causado pela facada em seu cérebro, ou melhor, em seu intestino. 

Por TONI REIS