A pedido de Bolsonaro, Temer intermedia ligação telefônica com Alexandre de Moraes

09/09/2021 16h03 - Atualizado há 1 mês

Depois da divulgação da "DECLARAÇÃO A NAÇÃO" Bolsonaro pediu que Temer intermediasse uma conversa telefônica com 0 Ministro do STF Alexandre de Moraes

Cb image default
André Coelho/Folhapress

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) publicou nesta quinta-feira (9) uma "declaração à nação" na qual recua de posições firmadas durante os últimos meses e, principalmente, durante os discursos  nos atos de 7 de Setembro.

A manifestação foi uma tentativa de dar um passo à trás, distensionando a situação que o chefe do executivo vem alimentando, principalmente depois que ele, seus filhos e muitos agregados, passaram a ser investigados por diversas denúncias que vão de rachadinhas, passando por crimes praticados pelo gabinete do ódio e corrupção investigada na CPI da COVID.

Bolsonaro, mesmo externando a "grandeza" das manifestações do dia da independência, que nos bastidores considerou um fracasso, que quase fez com que nem fosse a São Paulo, e indo, só falou por vinte minutos, ainda mantinha um posicionamento agressivo e de ataque ao STF e seus Ministros.

Depois de seus dois discursos, em Brasília e São Paulo, Bolsonaro passou a ser informado da perda de apoio por parte de empresários, políticos e até de entidades como diversos sindicatos de caminhoneiros, que inclusive entraram com ação na justiça cobrando responsabilidades sobre eventuais prejuízos a Nação.

Bolsonaro, literalmente, mandou buscar o ex-presidente Michel Temer para que esse o instruísse e proporcionasse sua "saída do buraco", tanto na redação da declaração, como na intermediação de uma conversa telefônica com o Ministro Alexandre de Moraes.

Bolsonaro consultou todos os meios jurídicos e políticos a seu redor e, de todos, recebeu a mesma informação, que está praticando crimes, tanto no ataque pessoal  e ameaças aos ministros do STF, como nos ataques a instituição, além de incitar a violência e o descumprimento a CONSTITUIÇÃO FEDERAL.

A atitude de Bolsonaro deverá acalmar um pouco os ânimos dos adversários, mas, por outro lado, deverá acirrar os ânimos de seus seguidores que, apesar de serem uma minoria, são bem barulhentos e já consideram a manobra do Presidente como uma traição, afinal muitos já estão presos, alguns procurados e outros tantos sendo investigados.

O medo do impeachment e a falta de manifestações de apoio, por parte das forças armadas, levou Bolsonaro a seguir a linha democrática e recuar nove passos, mas não se sabe por quanto tempo.

Cito nove passos pela insistência em afirmar, no décimo item, que as manifestações foram feitas pelo povo brasileiro, visto que hoje somos  213,3 milhões, sendo que na maior das manifestações, a ocorrida na Avenida Paulista, foram 125 mil pessoas, conforme informou a Polícia Militar do Estado de São Paulo.

Leia a "DECLARAÇÃO A NAÇÃO" publicada pelo Presidente.

1. Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar.

2. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

3. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia.

4. Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum.

5. Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes.

6. Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal.

7. Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país.

8. Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição.

9. Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles.

10. Finalmente, quero registrar e agradecer o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil.

Por TONI REIS