Prefeitura de Campo Grande suspende transporte de pacientes do Cotolengo

19/04/2022 08h49 - Atualizado há 2 mêses

Serviço garantia atendimento médico diário a portadores de paralisia cerebral grave

Cb image default
Divulgação

A prefeitura de Campo Grande abandonou à própria sorte nove pessoas portadoras de paralisia cerebral grave que até o ano passado recebiam atendimento médico e fisioterapêutico no Cotolengo, instituição beneficente sem fins lucrativos sediada no Bairro Mata do Jacinto. O transporte desses pacientes, todos eles sem condições financeiras, foi suspenso sem qualquer aviso prévio pelo município.

Reportagem veiculada ontem pela TV Morena mostra o drama de Caio Joaquim, de 22 anos, que mora a 60 quilômetros do Cotolengo. Ele recebe cuidados da avó e da tia, a dona de casa Cleusa Veríssimo, que não tem condições de bancar o transporte do sobrinho. “O Caio está perdendo os movimentos e em breve terá de fazer uma cirurgia”, diz a mulher.

Situação semelhante é enfrentada pela diarista Solange Oliveira, mãe da Natália, de 19 anos. Para levar a filha até o Cotolengo ela tem de desembolsar todos os dias R$ 30,00 para pagar o motorista de aplicativo de transporte que a atende. Sem ter onde deixar Natália para poder trabalhar, Solange é obrigada a gastar muito do pouco dinheiro que ganha fazendo faxina.

No total, são 9 pacientes que deixaram de ser atendidos pela prefeitura. Dois carros eram utilizados para transportar essas pessoas, mas o serviço foi suspenso ainda durante a pandemia e até hoje não foi restabelecido. Segundo Celiza de Barros, coordenadora clínica da instituição, os pacientes chegam ao local pela manhã e recebem o tratamento durante todo o dia, retornando às suas casas ao final do dia.

Ontem, dos 9 beneficiados com o transporte da prefeitura, apenas dois receberam atendimento no Cotolengo, para onde foram levados por familiares que mesmo sem condições financeiras bancaram o custo do transporte.

Mães de alguns desses portadores de paralisia cerebral grave já estiveram na prefeitura e na Secretaria Municipal de Saúde em busca de informações sobre quando o serviço será restabelecido. Nem elas e nem a TV Morena, até a publicação desta matéria, receberam retorno do município a respeito dessa indagação.

VOXMS