Clube de tiro em área de preservação ambiental alega que atividade é regulamentada

15/01/2022 09h12 - Atualizado há 7 mêses

Proprietários do local dizem que seguem as leis ambientais e de órgãos públicos

Cb image default
Divulgação

Ana Clara Santos

Clube de tiro na APA Lajeado

Moradores da Área de Preservação Ambiental (APA) Lajeado, na zona rural da capital, estão preocupados com a criação de três clubes de tiro na região, pois, se trata de uma área habitada por muitas famílias, incluindo crianças.

Além disso, não se sabe o impacto que a atividade pode causar nos animais que vivem ali, que podem ser espantados de seu habitat pelo barulho causado pelos tiros. Outra preocupação é a poluição do solo por resíduos de componentes como a pólvora.

As nascentes que existem na APA também podem ser prejudicadas por essa poluição. 

“Queremos saber se isso é legal. Acredito que não seja porque aqui é área de preservação e pode espantar os animais que vivem por aqui e contaminar o solo com pólvora e chumbinho e aqui tem nascente de rios”, alega Eduardo de Oliveira Carvalho, presidente da Associação de Moradores do bairro.

E completa: “Todos mudaram para cá procurando tranquilidade e estão envolvidos com a questão da preservação ambiental. Faz um ano que o primeiro [clube de tiro] foi inaugurado, outro inaugura semana que vem e o outro neste sábado.”

A Agência Municipal de Meio Ambiente e Planejamento Urbano (Planurb) informou que no Plano de Manejo da APA do Lajeado, publicado por resolução da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, não consta restrições para o desenvolvimento de clubes de tiros na região.

O que diz a empresa:

Após a repercussão da insatisfação dos moradores do bairro Santa Maria, zona rural de Campo Grande, com a instalação de três clubes de tiro na área de preservação ambiental (APA) Lajeado, o Clube de Caça Golden Boar, informou, através de nota, que as atividades exercidas pela empresa, incluindo o clube de tiro, seguem a legislação de órgãos do Estado, Prefeitura, União, Imasul, Exército Brasileiro, Polícia Federal e Corpo de Bombeiros.

A empresa ainda esclarece que o clube possui autorização de funcionamento da Prefeitura, como Alvará de Funcionamento e de Localização, bem como aprovação do Corpo de Bombeiros sobre as instalações e autorização do Exército Brasileiro para o funcionamento do estande de tiro.

O local segue regras de segurança atestadas para abertura e funcionamento, com projetos confeccionados por engenheiro civil.

Além disso, o clube afirma que também segue as leis ambientais, sendo que o desmatamento do local foi realizado dentro do permitido legalmente e com autorização do Imasul.

CORREIO DO ESTADO