VÍDEOS: Erupção gigante de vulcão provoca TSUNAMI e imagens de satélite jamais vistas

15/01/2022 10h38 - Atualizado há 4 dias

Hunga Tonga-Hunga Haʻapai explodiu de forma massiva no começo deste sábado com tsunami e onda de choque sentida em vários países

Cb image default
Divulgação

por METSUL.COM

Erupção vulcânica de enormes proporções, uma das mais intensas em anos no planeta, foi registrada nas primeiras horas deste sábado, hora de Brasília, no Pacífico Sul. Explosão gigante ocorreu no vulcão submarino Hunga Tonga-Hunga Haʻapai, na nação polinésia de Tonga.

A onda de choque e a explosão foram percebidas a mais de mil quilômetros de distância. A massiva erupção gerou um tsunami com ondas destrutivas em Tonga e colocou parte da região em alerta.

Em razão da erupção gigante, grandes ondas estão chegando à costa em Tonga depois que outra violenta erupção vulcânica atingiu a nação insular e autoridades do governo emitiram um segundo alerta de tsunami em dois dias. Imagens que circulam em redes sociais mostram ondas passando por casas, propriedades e uma igreja em Tonga. Um alerta de tsunami foi emitido para Fiji e Samoa Americana. Os moradores de áreas baixas foram instados a se mudar para terrenos mais altos.

A Austrália entrou em alerta pela massiva erupção e a Agência Nacional de Gerenciamento de Emergências da Nova Zelândia enviou um alerta de alerta nacional para notificar a atividade do tsunami. “Esperamos que as áreas costeiras da Nova Zelândia na costa norte e leste da Ilha do Norte e das Ilhas Chatham experimentem correntes fortes e incomuns e ondas imprevisíveis na costa”, tuitou.

As imagens de satélite da erupção gigante desta madrugada do vulcão na Polinésia estão entre as mais impressionantes e chocantes que a ciência já viu desde que o planeta passou a ser monitorada do espaço.

As imagens dão a dimensão da explosão massiva e da onda de choque se expandindo por centenas de quilômetros e recordam cenas de filmes de de ficção de uma explosão na Terra seguindo-se à queda de um asteroide. A onda de choque atingiu a Nova Zelândia. A análise preliminar da altura coluna de cinzas mostra ela atingindo 30 quilômetros, altura intermediária entre as erupções do Santa Helena e Pinatubo no passado, ambas gigantescas de VÉI-5

Após quase duas semanas de período de calmaria, a atividade retomou com uma alta fase eruptiva freatomagmática no vulcão Hunga Tonga-Hunga Haʻapai. Uma explosão espetacular ocorreu às 15h14 UTC da quinta, caracterizada por massas escuras e densas de material piroclástico. Uma pluma cada vez maior e densa enviou cinzas até 55.000 pés (17.000 metros) de altitude. De acordo com sensores de descargas elétricas, 86.000 raios vulcânicos foram detectados na coluna de erupção da quinta-feira que chegou a ter uma taxa de 10 mil raios por hora. Tais “tempestades” vulcânicas são frequentemente vistas durante erupções explosivas que produzem grandes quantidades de cinzas, embora os detalhes ainda sejam pouco compreendidos. Em um modelo simplificado, os relâmpagos são o resultado de cargas elétricas acumuladas em diferentes partes da nuvem de erupção, onde o atrito entre os grãos de cinzas arranca cargas elétricas (elétrons) uns dos outros. Quanto maior a quantidade de cinzas emitida, mais rápido e turbulento ele se move e quanto mais finos os grãos de cinzas, maior a probabilidade desse processo ocorrer. Em 16 de março de 2009, uma erupção submarina perto de Hunga Tonga-Hunga Ha’apai começou a expelir vapor, fumaça, pedra-pomes e cinzas a milhares de pés no céu acima do oceano. A erupção criou nova superfície de terra medindo centenas de metros quadrados. A erupção devastou Hunga Ha’apai, cobrindo a área de cinzas e despojando-o de vegetação e fauna. No final de 20145 e no início de 2015, o vulcão submarino no Pacífico Sul entrou em erupção explosiva, formando nova ilha dentro da nação polinésia de Tonga. Os cientistas inicialmente pensaram que a ilha desapareceria em questão de meses, o que geralmente é o caso de pequenas ilhas vulcânicas devido ao poder erosivo das ondas do oceano. Mas sete anos depois, a ilha não só continua de pé, como cresceu dramaticamente. No final de dezembro, a ilha agora chamada Hunga-Tonga Hunga-Ha’apai começou a entrar em erupção de um novo respiradouro vulcânico. Dan Slayback, pesquisador do Goddard Space Flight Center da NASA em Maryland, estudou esta ilha desde sua formação. “[A erupção] destruiu uma grande parte do cone tefra de 120 metros de altura deixado pela última erupção e encheu completamente o lago da cratera com novo material”, diz Slayback, com base na análise de dados de satélite. Cientistas do Goddard Space Flight Center, da NASA, têm estudado o Hunga Tonga-Hunga Ha’apai usando modelos para formas vulcânicas em Marte. Em um artigo publicado no final de 2017, os cientistas concluíram que Hunga Tonga-Hunga Ha’apai sofreu erosão de maneiras notavelmente semelhantes aos padrões de erosão observados em formas de relevo semelhantes em Marte. Os cientistas observaram que isso sugere que Marte já foi inundado brevemente pela água, mas que a água recuou rapidamente. Em outubro de 2018, os cientistas visitaram a ilha e descobriram que a sua superfície está coberta de cascalho, lama pegajosa e vegetação. A ilha também foi povoada por uma variedade de pássaros. Eles também descobriram que a ilha parece estar erodindo mais rapidamente do que se pensava anteriormente, devido às chuvas.