Como ter poder pelo Poder da Ação

05/03/2015 00h00 - Atualizado há 2 anos

Você não pode controlar as suas emoções pela vontade.

Você não consegue apenas pela sua vontade ser feliz ou criar instantaneamente um determinado sentimento. Por exemplo: “Eu ofereço-lhe cem mil reais para se apaixonar pela primeira moça que entrar pela porta”. Certamente concordará que por mais controle que julgue ter sobre as suas emoções, simplesmente pela vontade não iria conseguir realizar esta “tarefa”.

O que conseguimos e podemos controlar é o nosso comportamento, e o que fazemos para conseguirmos alcançar algo ou sermos bem sucedidos.

Aceite os seus sentimentos.

Não tente mentalmente combatê-los, ou negá-los (nunca deve negar a realidade daquilo que sente). Os seus sentimentos são uma fonte de informação, alertam-no para algo.

No entanto, são uma fonte de informação sutil e rudimentar, que deverá ser analisada pela sua consciência. Reconheça, sinta, mas não tem necessariamente de agir de acordo com aquilo que sente. Se os seus sentimentos o incapacitam, deve agir de acordo com a sua razão. Deve orientar-se pela consciência daquilo que é melhor para si e que é necessário ser feito. Esta ação permite à pessoa ativar-se um pouco, promovendo um bom sentimento.

As emoções não são permanentes. 

Todos temos no nosso código genético a informação que nos permite sentir um grande espectro de emoções. Mas estas emoções estabelecem uma relação com  os estímulos ambientais, ou até mesmo com os estímulos internos oriundos do conteúdo dos nossos pensamentos.

Quero dizer, que para mantermos a mesma emoção durante um período de tempo é necessário alimentá-la. É necessário manter a nossa atenção na situação problemática ou na ruminação dos pensamentos que recorrentemente fornecem estímulos ao nosso cérebro, e este por sua vez dá indicação para  libertar na corrente sanguínea os químicos que nos fazem sentir a emoção que tanto nos atrapalha a vida.

Este conhecimento da forma como uma emoção é mantida no nosso corpo é esperançador, pois permite-nos igualmente saber como podemos criar outras mais positivas e capacitadoras. Isto consegue-se, quando nos propomos a   direcionar a nossa atenção para outros estímulos (pensamentos, imagens, tarefas).

As emoções servem um propósito. 

Mesmo as emoções que consideramos negativas, elas não são necessariamente más. Sentimentos  que provocam dor emocional, fornecem informações sobre um problema que necessita da nossa atenção para ser resolvido. Sobre algo que precisamos e não estamos a conseguir obter. Você não tem que inibir, evitar ou não querer sentir essas emoções. Em vez disso, tente extrair a informação  que essas emoções lhe transmitem acerca de si e da situação e use-as a seu favor.

Embora não possamos controlar diretamente as nossas emoções, podemos influenciá-las.

Se você se sente sozinho, pode sair e ir ter com alguns dos seus amigos. Se está irritado, pode ir  correr à volta da rua onde vive, até que fique cansado. Pode praticar técnicas de relaxamento, meditar, ou escrever num bloco de notas a forma como você se está sentindo.

Tudo isto pode ajudar a reverter o seu estado, e começar a sentir-se de outra forma. O objetivo não é querer pela vontade deixar de sentir-se irritado, mas sim fazer algo para que possa emergir um sentimento mais positivo e capacitador.

Mensagem : O que quero transmitir é que você não deve esperar que a vontade apareça para fazer algo. Mas ao invés, fazer, e muito provavelmente no final o seu sentimento passará a ser aquele que desejava ser antes de iniciar a ação.